24 setembro 2017

O Senhor está perto da pessoa que o invoca!

A inveja corrói o nosso coração!

A inveja faz de nós pessoas orgulhosas, soberbas, descontentes com a vida, que não lutam pelo que é nosso.
"Ao receberem o pagamento, começaram a resmungar contra o patrão: 'Estes últimos trabalharam uma hora só, e tu os igualaste a nós, que suportamos o cansaço e o calor o dia inteiro'". (Mateus 20,11-12).
A parábola do Evangelho de hoje nos mostra o coração de um mestre, de um pai, um senhor que é justo; e o coração dos operários que, muitas vezes, são justiceiros, mas não justos.
O patrão combinou, com cada um dos trabalhadores, quando vieram trabalhar, uma quantia certa a ser dada. Aquele que chegou na primeira hora, iria receber tanto; o que chegou na terceira hora, iria receber outro tanto; o que chegou na sexta hora, receberia um preço combinado; e os que chegaram na penúltima hora, também receberiam o preço combinado.
Veja bem: o patrão pagou a cada um conforme havia combinado, ninguém recebeu a menos, não foi tirado de ninguém o que lhe foi prometido, de modo que cada um deveria ter ficado satisfeito com o que recebeu.
Onde entrou o problema? O problema entrou quando os que receberam primeiro viram o quanto receberam os que chegaram na última hora. E qual foi o problema? A inveja. E nós temos inveja quando paramos de olhar para o que é nosso e começamos a nos comparar e olhar para o que é do outro.
Se eles tivessem se conformado com aquilo que receberam, o coração deles estaria muito grato, muito feliz, porque estavam desempregados, mas foram se comparar com os outros. A vida é assim, quando começamos a nos comparar, caímos sempre na murmuração e na comparação injusta da vida, vamos sempre achar que estamos sendo injustiçados. Só achamos as coisas justas quando estamos bem e melhor, quando o que ganhamos é melhor do que os outros; mas quando o que ganhamos e temos é menor do que os outros, aí tudo se torna injusto.
A inveja corroí o coração humano, é um dos piores venenos para a nossa existência, porque ela nos corrói por dentro, cria sentimentos negativos dentro de nós, coloca-nos sempre em confronto em comparação com o outro.
Caim tinha oferecido um sacrifício maravilhoso aos olhos de Deus, mas começou a ter inveja do sacrifício de seu irmão; e bem sabemos o resultado: Caim matou Abel.
Estamos matando uns aos outros na fofoca, na maledicência, no falar mal. Quase sempre, isso vem da maldade e da inveja. Por causa da inveja, o pecado e o mal entraram no mundo. A inveja faz de nós pessoas orgulhosas, soberbas, descontentes com a vida. Não lutamos pelo que é nosso, não lutamos pelo que, de fato, é nosso direito. Lutamos, muitas vezes, para tirar o que é do outro e não por aquilo que é nosso por direito.
Sejamos justos, porque Deus é justo, mas nem sempre ser justiceiro quer dizer ser justo. Deus é aquele que vê além, que vê de cima. Somos aqueles que olham por baixo, e só olhamos o mundo com o nosso olhar orgulhoso e egoísta, porque vemos o mundo somente do nosso jeito.
Deus abençoe você!
Padre Roger Araújo

#minisermao (24/09/17)

Não existe maior injustiça do que tratar de modo igual os diferentes; respeite a diversidade. Alguns princípios, muito populares, podem se tornar perversos quando absolutizados, por exemplo: a liberdade é um princípio sagrado, mas se nós absolutizamos a liberdade, podemos ferir a dignidade do outro, a minha liberdade vai até onde começa a do outro. Assim também, a igualdade, todos devem ter igual dignidade, mas somos diferentes, então há pessoas que tem necessidades maiores e diferentes; por isso eu não posso tratar todos do mesmo modo. O igualitarismo é uma forma de injustiça. (Mt 20,1-16a)
Pe. Joãozinho, Scj

Comece o seu dia mais feliz meditando o Santo Evangelho - 25º Domingo do Tempo Comum

Anúncio do Evangelho (Mt 20,1-16a)

Estás com inveja porque eu estou sendo bom?
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus 20,1-16a.

Naquele tempo, Jesus contou esta parábola a seus discípulos:
"O Reino dos Céus é como a história do patrão que saiu de madrugada para contratar trabalhadores para a sua vinha. Combinou com os trabalhadores uma moeda de prata por dia, e os mandou para a vinha.
Às nove horas da manhã, o patrão saiu de novo, viu outros que estavam na praça, desocupados, e lhes disse: 'Ide também vós para a minha vinha! E eu vos pagarei o que for justo'. E eles foram. O patrão saiu de novo ao meio-dia e às três horas da tarde, e fez a mesma coisa.
Saindo outra vez pelas cinco horas da tarde, encontrou outros que estavam na praça, e lhes disse: 'Por que estais aí o dia inteiro desocupados?’ Eles responderam: 'Porque ninguém nos contratou'. O patrão lhes disse: ‘Ide vós também para a minha vinha'.
Quando chegou a tarde, o patrão disse ao administrador: 'Chama os trabalhadores e paga-lhes uma diária a todos, começando pelos últimos até os primeiros!'.
Vieram os que tinham sido contratados às cinco da tarde e cada um recebeu uma moeda de prata. Em seguida vieram os que foram contratados primeiro, e pensavam que iam receber mais. Porém, cada um deles também recebeu uma moeda de prata.
Ao receberem o pagamento, começaram a resmungar contra o patrão: 'Estes últimos trabalharam uma hora só, e tu os igualaste a nós, que suportamos o cansaço e o calor o dia inteiro'. Então o patrão disse a um deles: 'Amigo, eu não fui injusto contigo. Não combinamos uma moeda de prata? Toma o que é teu e volta para casa! Eu quero dar a este que foi contratado por último o mesmo que dei a ti. Por acaso não tenho o direito de fazer o que quero com aquilo que me pertence? Ou estás com inveja, porque estou sendo bom?' Assim, os últimos serão os primeiros, e os primeiros serão os últimos".
Palavra da Salvação.
Glória a vós, Senhor.

23 setembro 2017

Comarca de Jardim de Piranhas - Gabarito da prova de seleção de estagiários de Ensino Médio

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE
COMARCA DE JARDIM DE PIRANHAS
VARA ÚNICA
De ordem do Excelentíssimo Senhor Adriano da Silva Araújo, Juiz de Direito da Vara Única desta Comarca, torno público o gabarito da prova de seleção de estagiários de Ensino Médio, realizada na data de hoje:
1) B
2) B
3) B
4) D
5) A
6) B
7) A
8) D
9) B
10) A
11) B
12) C
13) C
14) D
15) C
16) D
17) B
18) A
19) A
20) D
21) B
22) B
23) A
24) D
25) D
26) C
27) B
28) A
29) B
30) D


Nos termos do item 11.3 do edital, a supervisão do estágio determinou que quaisquer recursos contra o gabarito ou a questões da prova devem ser protocolados, no fórum local, até às 18h do dia 25/09/2017.
Jardim de Piranhas/RN, 23 de setembro de 2017.
Alcimar da Silva Araújo
Chefe de Secretaria

Com canto apresentai-vos diante do Senhor!

A perseverança é o segredo dos fortes em Deus!

Perseverar quer dizer insistir, persistir e não desanimar por qualquer tribulação. "E o que caiu em terra boa são aqueles que, ouvindo com um coração bom e generoso, conservam a Palavra, e dão fruto na perseverança" (Lucas 8, 15).
Das tantas vezes que nós ouvimos a parábola do semeador, podemos prestar atenção nos terrenos negativos ou que não foram frutuosos; terrenos onde a Palavra de Deus secou, foi roubada, levada; terrenos onde a Palavra de Deus até caiu, mas não tinha profundidade e não deu frutos.
Deus deseja que o nosso coração não seja nenhum desses terrenos; pelo contrário, Ele deseja que o nosso coração seja um lugar onde a Palavra de Deus caia e produza muitos frutos.
O que precisamos fazer, para que o terreno do nosso coração seja, de fato, o terreno onde a Palavra de Deus caia e os frutos sejam muitos? Primeiro, é preciso ter um coração bom e generoso, que não se deixa permear pelo mal, ser induzido e seduzido pela maldade dos sentimentos que circulam ao nosso lado. Um coração bom é aquele que vive na bondade de Deus. Depois, é preciso acolher com generosidade, com abertura e amor.
Às vezes, você vai ouvir a Palavra de Deus, mas a escuta por escutar, por obrigação, para cumprir preceitos, formalidades, e isso não é generosidade. Ser generoso é ter alegria, disposição e ânimo para acolher aquilo que vem de Deus.
Se somos bons e generosos, essa Palavra entra em nós e nos convida a dar frutos na perseverança. Veja bem: podemos produzir frutos para o Reino de Deus, mas é preciso perseverar, e a perseverança é o segredo dos fortes em Deus, daqueles que se fortalecem n'Ele.
Perseverar quer dizer insistir, persistir e não desanimar por qualquer coisa nem tribulação, por qualquer dificuldade ou sofrimento. Perseverar e insistir no caminho do Reino de Deus, apesar de todas as situações contrárias.
Muitos começaram em Deus, mas não terminaram n'Ele. Muitos eram de Deus, mas não continuaram servindo-No, porque se deixaram desanimar pelas coisas do mundo, pelas dificuldade que encontraram pelo caminho, por tantas coisas que enfrentaram na própria vida de comunidade, de igreja e assim por diante.
Os frutos da Palavra não se manifestam em nossa vida, porque nos falta perseverança. Não é só perseverar indo para a igreja, mas, sobretudo e acima de tudo, nas obras de Deus.
Começou a ler a Palavra de Deus, leu uma, duas vezes, mas depois parou. Começou a rezar em família, rezou um ou dois dias; parou. Perseverar é fazer, com insistência do coração, comprometido com aquilo que assumiu fazer.
Seja bom, seja generoso, seja perseverante, e colha os melhores frutos da vida.
Deus abençoe você!
Padre Roger Araújo

#minisermao (23/09/17)

Sempre existe um sentido maior escondido pelo véu do discurso; inteligente é quem sabe ler para além das palavras. Inteligência significa ler o que está dentro, o que está no mais profundo. Nosso mundo vive das aparências, da retórica, do discurso e do grito, do berro, do argumento de quem bate na mesa e diz: "Eu sei do que estou falando!" A sabedoria é bem diferente, entende o que não é dito, compreende o que não é fruto de um grito, lê o que não se diz. (Lc 8,4-15)
Pe. Joãozinho, Scj

Comece o seu dia mais feliz meditando o Santo Evangelho - Memória de S. Pio de Pietrelcina Presb.

Evangelho (Lc 8,4-15)

E o que caiu em terra boa são aqueles que, conservam a Palavra, e dão fruto na perseverança.
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas 8,4-15.

Naquele tempo, reuniu-se uma grande multidão, e de todas as cidades iam ter com Jesus. Então ele contou esta parábola: "O semeador saiu para semear a sua semente. Enquanto semeava, uma parte caiu a beira do caminho; foi pisada e os pássaros do céu a comeram.
Outra parte caiu sobre pedras; brotou e secou, porque não havia umidade. Outra parte caiu no meio de espinhos; os espinhos cresceram juntos, e a sufocaram. Outra parte caiu em terra boa; brotou e deu fruto, cem por um".
Os discípulos lhe perguntaram o significado dessa parábola. Jesus respondeu: "A vós foi dado conhecer os mistérios do Reino de Deus. Mas aos outros, só por meio de parábolas, para que olhando não vejam, e ouvindo não compreendam".
A parábola quer dizer o seguinte: A semente é a Palavra de Deus. Os que estão à beira do caminho são aqueles que ouviram, mas, depois, vem o diabo e tira a Palavra do coração deles, para que não acreditem e não se salvem.
Os que estão sobre a pedra são aqueles que, ouvindo, acolhem a Palavra com alegria. Mas eles não têm raiz: por um momento acreditam; mas na hora da tentação voltam atrás. Aquilo que caiu entre os espinhos são os que ouvem, mas, com o passar do tempo são sufocados pelas preocupações, pela riqueza e pelos prazeres da vida, e não chegam a amadurecer. E o que caiu em terra boa são aqueles que, ouvindo com um coração bom e generoso, conservam a Palavra, e dão fruto na perseverança.
Palavra da Salvação.
Glória a vós, Senhor.

Reflexão - Lc 8, 4-15 
Muitas vezes, quando estamos exercendo o trabalho evangelizador, ficamos angustiados porque não vemos os resultados que estávamos esperando, e isso acaba por se tornar para nós causa de desânimo. O Evangelho de hoje nos mostra que o mais importante é evangelizar, e que sempre devemos lançar as sementes da Palavra. O semeador do Evangelho de hoje não estava preocupado se as sementes estavam caindo em terreno bom. Nós também não devemos lançar as sementes apenas para os que podem responder de forma positiva. A evangelização é para todos e os resultados não dependem de nós, mas da Graça divina.

Vídeo de Temer provoca indignação na internet

REUTERS/Adriano Machado 
247 – Como de costume, Michel Temer foi estraçalhado nas redes sociais.
Com apenas 3,4% de aprovação, ele foi ao Twitter tentar convencer o público de que não deve ser afastado do cargo depois de ser denunciado por corrupção, obstrução judicial e comando de uma quadrilha que teria desviado R$ 567 milhões, segundo aponta a Procuradoria-Geral da República.
As reações, de forma praticamente unânime, foram negativas e Temer foi chamado de ladrão, golpista, excrescência, traidor e assim por diante.

Generais tramam golpe nas barbas de um presidente desmoralizado

Marcos Corrêa/PR | ABr 
A Constituição é clara: o presidente da República é o comandante supremo das forças armadas. E no seu artigo 142 o texto constitucional só admite a atuação dos militares na garantia da lei e da ordem por iniciativa dos poderes constitucionais; jamais por conta própria. A ordem jurídica também veda a opinião de caráter político por parte de oficiais da ativa.
No entanto, em menos de 48 horas, três generais – dois deles pertencentes ao alto comando do Exército, aí incluído o comandante, e um da reserva, mas visto como uma forte liderança por seus pares desde que comandou a primeira força de paz do Brasil no Haiti – fizeram letra morta desse marco legal ao defenderem a intervenção militar, para impedir a “instalação do caos.”
Em qualquer país de democracia avançada, insubordinações e desafios à ordem constitucional, como os protagonizados pelos generais brasileiros, seriam imediatamente coibidos com o afastamento das funções, como no caso do comandante do Exército, general Eduardo Villas Boas, e outras punições previstas em lei ou no regulamento disciplinar do Exército.
No Brasil pós-golpe, no entanto, o ministro da Defesa, também superior hierárquico dos generais, se limita a fazer uma tímida e envergonhada declaração sobre o assunto, enquanto o presidente – talvez acuado por saber de sua rala autoridade, uma vez que é produto de um golpe de estado- se omite completamente.
Tivesse Temer reagido à altura ao discurso do general Antônio Hamilton Mourão, que deu origem às demais falas de caráter golpista vindas da caserna, a anarquia poderia morrer no nascedouro.
Na base de Temer na Câmara dos Deputados e no Senado prevalece um silêncio preocupante em relação às escaramuças antidemocráticas a que o Brasil assiste.
Mesmo o campo democrático e de esquerda parece ainda não ter se dado conta do tamanho e da ferocidade do monstro que se vislumbra no horizonte.
A presidente nacional do PT é uma das exceções. Merece aplausos a nota emitida pela senadora Gleisi Hoffmann conclamando os democratas a cerrarem fileiras ante à ameaça dos militares de alta patente.
Vale recuar no tempo para lembrar que o golpe de 1964 foi precedido por falas polêmicas e desencontradas de chefes militares, alguns em defesa da legalidade, outros dando corda de forma sútil ou explícita à conspirata então em curso.
E não tenhamos dúvidas de que o alvo principal dos que hoje tramam a liquidação do regime democrático são as forças de oposição, os movimentos sociais, a mídia contra-hegemônica e a luta popular por direitos.
Circula na internet uma palestra de um dos insubordinados, o general Mourão, de sobrenome de triste memória, destilando intolerância contra a esquerda, a partir de considerações extremamente ignorantes e preconceituosas sobre o Fórum de São Paulo, uma articulação entre partidos e movimentos de esquerda da América Latina, fundado em 1999, na capital paulista.
A esquerda é citada ainda pelo general Augusto Heleno, quando saiu em defesa de Mourão : “ A esquerda, em estado de pânico depois de seus continuados fracassos viu nisso [nas declarações de Mourão] uma ameaça de intervenção militar. Ridículo.”
O risco às instituições democráticas é real. Não se trata de enxergar fantasmas onde eles não existem, nem de dar aso a análises catastróficas. O perigo é de carne e osso e veste verde oliva. Fascistas e golpistas não passarão.
Wadih Damous – deputado federal e ex-presidente da OAB/RJ
Este artigo foi originalmente publicado no Viomundo

22 setembro 2017

Felizes os humildes de espírito, porque deles é o Reino dos céus!

Testemunhemos a diferença que Jesus fez em nossa vida!

Testemunhe para o mundo e para as pessoas, fale em Jesus, anuncie-O, proclame a diferença que Ele faz na sua vida. "Jesus andava por cidades e povoados, pregando e anunciando a Boa Nova do Reino de Deus. Os doze iam com ele, e também algumas mulheres que haviam sido curadas de maus espíritos e doenças" (Lucas 8,1-2).
A graça do Evangelho de hoje é nos mostrar Jesus anunciando e pregando a Boa Nova do Reino de Deus, que chega a todas as cidades, povoados e corações que se abrem para acolhê-la.
A grande graça que o Evangelho de hoje nos aponta são as mulheres seguindo Jesus e se tornando discípulas d'Ele. Primeiro, porque Ele fez diferença na vida delas, numa sociedade patriarcal como era a cidade judaica da época, onde se levava em conta somente os homens, e as mulheres ficavam à deriva, à parte, à mercê dos homens. Jesus, no entanto, coloca as mulheres no centro do coração de Deus, primeiro agindo na vida delas, transformando tantas mulheres. Elas se tornam libertas, curadas, transformadas e renovadas pela presença de Jesus. As mulheres que são tocados, hoje, nas Sagradas Escrituras são: Maria Madalena, da qual saiu sete demônios, Joana que era mulher de Cuza, alto funcionário de Herodes, Susana e tantas outras mulheres que foram transformadas por Jesus.
Quando Jesus transforma a vida desses homens e dessas mulheres, estes não se tornam apenas discípulos, mas testemunhas da ação que Jesus fez na vida deles. Você, mulher que me escuta, sabe a diferença que Jesus fez em sua vida? De que forma Ele chegou? O que Ele mudou? O que Ele transformou e renovou? Ele é o homem que fez toda a diferença na sua existência. Não deixe de testemunhá-Lo nem de segui-Lo. Testemunhe-O para o mundo e para as pessoas, fale de Jesus, anuncie-O, proclame a diferença que Ele faz na sua vida.
Há muitas mulheres que seguem homens e ídolos, deste mundo, e sabem o quanto são escravizados por eles. Mas uma mulher que encontrou Jesus e foi por Ele tocada, transformada, renovada, sabe qual é a diferença que Jesus faz em sua vida.
Mulheres do Senhor, testemunhem para os homens e para as mulheres, deste mundo, a diferença que Jesus faz em sua vida.
Deus abençoe você!
Padre Roger Araújo

Comece o seu dia mais feliz meditando o Santo Evangelho - 6ª-feira da 24ª Semana do Tempo Comum

Evangelho (Lc 8,1-3)

Andavam com êle várias mulheres que ajudavam a Jesus e aos discípulos com os bens que possuíam.
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas 8,1-3.

Naquele tempo, Jesus andava por cidades e povoados, pregando e anunciando a Boa Nova do Reino de Deus. Os doze iam com ele; e também algumas mulheres que haviam sido curadas de maus espíritos e doenças: Maria, chamada Madalena, da qual tinham saído sete demônios; Joana, mulher de Cuza, alto funcionário de Herodes; Susana, e várias outras mulheres que ajudavam a Jesus e aos discípulos com os bens que possuíam.
Palavra da Salvação.
Glória a vós, Senhor.

Reflexão - Lc 8, 1-3 
Assim como Jesus não parava, mas vivia caminhando de um lado para o outro anunciando a chegada do Reino de Deus, a sua Igreja não pode ficar parada. Ela deve ir sempre ao encontro do outro, abrir novas fronteiras no trabalho evangelizador para que todos possam ter a oportunidade de conhecer o Reino de Deus, assim como livremente optar por ele. Para realizar a sua missão, a Igreja deve, assim como o divino Mestre, envolver o maior número possível de pessoas, sem distinção entre elas, que queiram colocar a sua vida a serviço do Reino de Deus, como fizeram as mulheres, conforme nos narra o Evangelho de hoje.

Temer, Cunha e Alves desviaram R$ 250 milhões da Caixa, diz Funaro

 
247 - Em sua delação premiada, o empresário Lúcio Bolonha Funaro afirmou que o grupo político formado por presidente Michel Temer e pelos ex-deputados Eduardo Cunha e Henrique Alves recebeu cerca de R$ 250 milhões em propinas decorrentes de créditos da Caixa Econômica Federal, repassados pelas vice-presidências de Pessoa Jurídica e Fundos de Governo e Loterias. As duas áreas foram controladas pelo PMDB e comandadas por Geddel Vieira Lima e Fábio Cleto. Operador financeiro do partido, Funaro disse que Cunha funcionava como um "banco de propina" para deputados e, depois, virava o "dono" dos mandatos de quem era beneficiado.
O doleiro afirmou não saber exatamente o valor da propina repassada a Cunha, “mas sabe que este sempre distribuía parte da propina recebida com Henrique Eduardo Alves e Michel Temer, fora outros deputados aliados”.
O ex-ministro Geddel Vieira Lima ocupou o cargo na Caixa entre 2011 e 2014. Segundo Funaro, apenas na área de Geddel o grupo liberou entre R$ 5 bilhões e R$ 8 bilhões para empresas em troca de vantagens. Um valor igual ou superior a este teria sido liberado pelo setor comandado por Cleto. Funaro disse que Geddel recebeu, sozinho, no mínimo R$ 20 milhões e continuou a operar mesmo depois de deixar o cargo, até fevereiro de 2015.
Para o Grupo J&F, dos irmãos Joesley e Wesley Batista, relatou Funaro, foram liberados cerca de R$ 3,04 bilhões em troca de propinas. Foram R$ 1,35 bilhão para a holding J&F e o restante para empresas do grupo — R$ 200 milhões para a Vigor, R$ 250 milhões para a Flora e R$ 300 milhões em crédito para exportação para a Eldorado, além de R$ 940 milhões de debêntures adquiridas.

Após criticar o PMDB, Maia janta com opositores de Temer

REUTERS/Adriano Machado 
247 - O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), jantou na noite desta quarta-feira com integrantes da ala do PMDB que fazem oposição a Michel Temer. O encontro aconteceu logo após o parlamentar fluminense disparar duras críticas contra Temer e o PMDB, em razão do assédio de peemedebistas a deputados do PSB que negociam migração para o DEM.
O jantar aconteceu na casa da senadora Kátia Abreu (PMDB-TO), que foi suspensa das funções partidárias em 13 de setembro, após dar declarações públicas contra a cúpula do partido. Além dela, participaram os senadores Renan Calheiros (PMDB-AL) e Eduardo Braga (PMDB-AM), ambos críticos do governo Temer, e o presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), que se mantém aliado a Temer.
No encontro, os peemedebistas e Maia trataram sobre "política". Além dos integrantes do PMDB, deputados de outros partidos participaram do encontro, entre eles, Alexandre Baldy (Podemos-GO) e Orlando Silva (PC do B-SP). Este último é um dos membros da oposição mais próximos do presidente da Câmara.
De acordo com Silva, Maia fez críticas ao Palácio do Planalto. "Foi um jantar para compartilhar leituras sobre o momento político. Sobraram críticas à condução política do governo. Críticas que, aliás, já são públicas dos que lá estavam", afirmou o parlamentar do PC do B.
A gota d´água para as duras críticas disparadas por Maia contra Temer e o PMDB foi o assédio de integrantes da cúpula peemedebista a um deputado do PSB de Pernambuco que negocia migração para o DEM. 

Risco de golpe militar fará a Câmara pensar no Brasil?

REUTERS/Darren Ornitz | Fernando Frazão/Agência Brasil 
A ameaça de golpe militar pode ter uma serventia, afora a lamentável demonstração de que a tentação autoritária pulsa viva nos quartéis.  Talvez sirva para sacudir a maioria governista na Câmara, onde aportará hoje a nova denúncia contra Michel Temer, agora por obstrução da Justiça e comando de organização criminosa, fazendo com que a ficha caia:  a insustentável situação de Temer chegou ao limite.  Afogado em denúncias de corrupção, aprovado por apenas 3,4% dos brasileiros, e incapaz de reverter a deterioração social e econômica do país, Temer é um presidente que justifica eventual intervenção das Forças Armadas, liquidando com o que ainda resta de democracia no país.  Se suas excelências não entenderem o que se passa, e novamente absolverem Temer,  poderão ser os primeiros a chorar as pitangas. 
Pouco sabemos do que se passa nos quarteis. A chamada imprensa grande ignorou ou tratou lateralmente as falas militares. Temer calou-se aproveitando a distância, estando em Nova York.  Do STF, só se viu a manifestação preocupada do ministro Marco Aurélio. Na Câmara houve alguns discursos, enquanto o plenário sepultava a reforma político-eleitoral e, no Senado, uma comissão aprovou a convocação do general Mourão. Mas tudo isso em segundo plano, pois a colmeia agitou-se mesmo foi com a decisão do STF de enviar à Câmara a segunda denúncia. Para eles ela é a oportunidade para deixar Temer mais ajoealhado, mais enfraquecido, dele arrancando  concessões, emendas e favores. 
Ele agora já está no Brasil e não tem mais desculpa para  ignorar os sinais preocupantes que vieram da área militar.  Em verdade, nada sabemos do que se passa nas quarteis.  Mas bastaram as declarações do general Mourão, a indulgência de seu chefe, o comandante do Exército, general Vilas-Boas, e a solidariedade do general Augusto Heleno para entendermos que  agora a crise ganhou um elemento novo, a questão militar. 
Na noite de ontem, o ministro da Defesa, Raul Jungmann, saiu do recolhimento para anunciar que não será atendido o pedido do governo do Rio para que o Exército o socorra na crise de segurança do estado.  Por que a negativa agora, se no final de julho  Jungmann anunciou a presença das Forças Armadas no Rio com o espalhafato de um candidato, chegando a sobrevoar de avião as áreas patrulhadas pelos militares?  O Decreto que autorizou as operações previu que poderiam acontecer até 31 de dezembro deste ano, podendo haver prorrogação para 2018. Mas depois, faltou dinheiro e os militares ficaram com o quepe na mão. Que as Forças Armadas não devem fazer papel de polícia, como justificou Jungmann, todos sabemos. Mas fizeram, e foi prometido que continuariam fazendo. Diante da ameaça de golpe, o recuo.  É arriscado demais ter tropas espalhadas por centros  urbanos quando a situação chega a este ponto.
Mas é a Câmara, são os deputados,  e especialmente os aliados de Temer, que precisam entender o que se passa.  Com a ameaça de golpe militar no ar, e a segunda denúncia contra Temer a caminho, eles  têm agora uma nova chance de resolverem, pela política, a crise gerada pela aventura do golpe parlamentar do ano passado.  Foi o Congresso que, derrubando Dilma, rompeu com o pacto democrático da transição e da Constituição de 1988. É o Congresso que precisa encontrar a saída, antes que ela venha pelas força bruta.   Sempre se disse que a crise teria que piorar bastante  antes de começar a dissipar-se.  Pior,  a situação não pode ficar.

21 setembro 2017

Seu som ressoa e se espalha em toda a terra!

Jesus é o refúgio dos pecadores!

Jesus faz refeição, ceia e está com os pecadores, porque Ele quer tirar o pecado da nossa vida
"Enquanto Jesus estava à mesa, na casa de Mateus, vieram muitos cobradores de impostos e pecadores e sentaram-se à mesa com Jesus e seus discípulos" (Mateus 9,10).
Hoje, celebramos São Mateus, reconhecemos nele o grande evangelista que escreveu o maior Evangelho que nós temos. Acima de tudo, queremos olhar para ele como o cobrador de impostos convertido, o pecador que deixou o pecado e foi abraçado por Deus. Mateus é o pecador que acolhe Jesus e Seus discípulos em sua casa.
Em outras palavras, quando celebramos a festa de São Mateus, entendemos que o coração de Jesus é o refúgio dos pecadores. A casa do Senhor é a casa dos pecadores, e eles têm de encontrar acento e lugar na casa de Deus.
Pode ser que muitos de nós imaginemos uma religião pura ou, muitas vezes, puritana, onde somente os santos, convertidos, somente aqueles que estão com total pureza podem se assentar. Na verdade, nenhum de nós é santo e puro, todos nós somos pecadores. Quem nos purifica e nos liberta do pecado é o Senhor Jesus, e só tem lugar no coração d'Ele quem se reconhece pecador. E não se trata de menor ou maior pecado, de termos falhado menos ou mais, de termos nascido numa família santa, sermos melhores do que o outro que já nasceu em meio ao pecado. Não! Isso são fantasias humanas e mitos religiosos que se criam, porque o Evangelho é, na verdade, a casa do Senhor, a casa dos pecadores.
Na casa do Senhor, todos precisam entrar, e há lugar para todos se sentarem à mesa com Ele. Não pode haver, de forma nenhuma, distinção de pessoas, qualquer preconceito, elevação de uns em detrimento de outros.
Na casa do Senhor, tem de estar quem progrediu na vida espiritual, mas também quem não O conheceu, quem viveu uma vida de mais pecados ou menos pecados. Na casa do Senhor, tem de estar nossos filhos e irmãos, também aqueles que são julgados, condenados, tidos como imprestáveis.
A Igreja precisa ser uma casa de portas abertas, como é o coração de Deus para acolher Seus filhos. Não é simplesmente para acolher e dizer: "Venham pecadores", mas para dizer que Jesus faz refeição, ceia, e está com os pecadores, porque quer tirar o pecado da nossa vida. Ele veio para libertar a humanidade, o coração dos homens da escravidão do pecado.
Precisamos que cada um de nós se deixe convencer e ser convertido por Jesus, e que, uma vez conhecidos e convertidos, não sejamos frios, indiferentes nem nos achemos melhores do que os outros.
Tenhamos um coração misericordioso como o coração de Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo: aberto, escancarado para acolher a todos, porque todos são amados por Ele.
Deus abençoe você!
Padre Roger Araújo

#minisermao (21/09/17)

A humanidade tem a mania de imaginar que Deus gosta do sofrimento de seus filhos. Jesus deixou claro que: NÃO! Naquele dia em que Ele chamou Mateus, o cobrador de imposto, Ele olhou com misericórdia e depois fez uma festa e nem todos que estavam alí eram pessoas religiosas, alguns eram publicanos, eram até pagãos e os religiosos de plantão olhavam pra aquilo pensando: "Ele festeja com gente que não é da nossa... da nossa fé, do nosso clube, da nossa tribo, da nossa seita." E Jesus disse: "Vocês precisam aprender que Deus quer a misericórdia e não o sacrifício." Precisamos ultrapassar a lógica de uma religião do sofrimento. (Mt 9,9-13)
Pe. Joãozinho, Scj.

Comece o seu dia mais feliz meditando o Santo Evangelho - São Mateus, Apóstolo e Evangelista. Festa

Evangelho (Mt 9,9-13)

Não vim para chamar os justos mas os pecadores.
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus 9,9-13.

Naquele tempo, Jesus viu um homem chamado Mateus, sentado na coletoria de impostos, e disse-lhe: "Segue-me!" Ele se levantou e seguiu a Jesus. 
Enquanto Jesus estava à mesa, na casa de Mateus, vieram muitos cobradores de impostos e pecadores e sentaram-se à mesa com Jesus e seus discípulos. Alguns fariseus viram isso e perguntaram aos discípulos: "Por que vosso mestre come com os cobradores de impostos e pecadores?"
Jesus ouviu a pergunta e respondeu: "Aqueles que têm saúde não precisam de médico, mas sim os doentes. Aprendei, pois, o que significa: 'Quero misericórdia e não sacrifício'. De fato, eu não vim para chamar os justos, mas os pecadores". 
Palavra da Salvação. 
Glória a vós, Senhor.

Reflexão - Mt 9, 9-13
Todos nós vivemos afirmando que Jesus é misericordioso, que veio para trazer a salvação para todas as pessoas e coisas do gênero, mas na hora da convivência com as pessoas, parece que não é bem assim, pois somos proibitivos e sabemos sempre evidenciar os erros e os pecados que são cometidos para provocarmos discórdia, separação e exclusão. É muito comum ouvirmos nas comunidades: "Eu acho que Fulano não pode participar de tal coisa porque ele fez isso e aquilo". Devemos crer que de fato não somos nós quem chamamos para o serviço do Reino, é Jesus quem chama e ele sabe muito melhor que nós quem está chamando e porque ele está chamando. A nós compete criar condições para que todos possam assumir a própria vocação.

Lula alerta procuradores: "estão mexendo com quem não roubou"

 Ricardo Stuckert 
247 - O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse que os investigadores da Lava Jato estão mexendo com "um político que não roubou e não tem medo deles". Lula disse, ainda, que se sentir "estimulado" para defender sua honra e que os investigadores da Operação Lava Jato "mexeram com quem não deveriam mexer".
"Não é porque estou acima de qualquer coisa. É porque eu não fiz o que eles dizem que eu fiz. Se eles estão acostumados a mexer com político que roubou, que fez corrupção, que enriqueceu e está com o rabo no meio das pernas, eles estão mexendo com um político que não roubou, que não tem medo deles e que a única coisa que tem é a sua honra para defender", afirmou Lula durante o lançamento da plataforma de debates O Brasil que o povo quer, da Fundação Perseu Abramo, ligada ao PT.
Em sua fala, Lula também criticou a denúncia do Ministério Público Federal (MPF) contra ele no âmbito da Operação Zelotes e chamou a peça jurídica de "excrescência, da excrescência, da excrescência. Ele também qualificou os delegados responsáveis pelo inquéritos da Operação Zelotes como "verdadeiros analfabetos políticos", que precisam de uma formação melhor nesta área.
O ex-presidente também criticou as diárias pagas aos promotores da Lava Jato ao afirmar que "em vez de ficar ganhando as ricas diárias lá em Curitiba", eles deveriam visitar as cidades brasileiras para constatar se os prefeitos estão cumprindo uma lei criada no seu governo que prevê que 30% dos alimentos da merenda escolar seja adquirida de produtores rurais locais.
"Finalmente o PT acordou para o processo de criminalização que estão tentando fazer. Aquela história de criar um Power Point para dizer que o PT foi criado para ser uma organização criminosa, e que quando nós ganhamos nós montamos um governo para roubar o Brasil é a maior desfaçatez, mentira que alguém poderia fazer", destacou.

O recado dos militares

 
O recado dos militares parece dirigido ao Supremo Tribunal Federal e ao Congresso Nacional, que têm responsabilidades prementes de fazer valer a Constituição, as leis, e destituir a organização criminosa e seu chefe, Michel Temer, que se aproveita para governar atendendo interesses de conglomerados internacionais e entregar, na cara dura, imenso patrimônio e riquezas nacionais, de forma nunca visto antes. Isso se ainda existe nacionalismo nas forças armadas.
É o que sinalizam. Não se sabe até que ponto é uma jogada política.
O outro destinatário pode ser o eleitorado do ex-Presidente Lula. Há demonstração clara, nas últimas pesquisas, de que Lula venceria as eleições.
Desde a proclamação da República os militares, por serem servidores públicos armados, demonstram dificuldade de se subordinarem aos poderes soberanos legítimos, eleitos pelo voto direto do povo: a Presidência da República e o Congresso Nacional.
Aliás, a República é filha de um golpe militar, dado para proteger o patrimônio e os interesses da Coroa Portuguesa, dos proprietários de terras e dos empresários que aqui se estabeleceram.
O dia que se posicionarem do lado dos de baixo, defenderem a democracia, um projeto que ponha fim à desigualdade e promova a inclusão social irrestrita e a cidadania, estará com a imensa maioria da população.
A essas alturas do Século XXI, os militares brasileiros precisam se livrar, de uma vez por todas, desse papel histórico de guarda do patrimônio e dos interesses dos de cima, dos empresários, banqueiros, nacionais e internacionais, e de grandes proprietários de terras.
Chega de lustrar sapatos dessa gente que até agora tem demonstrado desprezo pelos de baixo e pela costrução da nação democrâtica. Acima de tudo seus interesses particulares.
Quem mandou botar a tutela dos militares na Constituição foi o General Leônidas Pires Gonçalves, ministro do Exército, do governo Sarney, na época.
Os constituintes progressistas reagiram com discursos inflamados contra a imposição dos militares.
Naquela época, as ameaças dos militares eram frequentes.
As conquistas democráticas eram frágeis, incipientes. Ninguém queria ver novamente aquele filme de terror.
Os lutadores pela democracia estavam estropiados, vindos dos cárceres, das ruas, para consolidar o Estado democrático de direito.
Assisti, no plenário da Câmara, numa das sessões da Constituinte, ao debate da famosa emenda da tutela dos militares.
Muita gente está se dando conta da fragilidade da nossa democracia agora, depois que alguns militares começaram a apontar para o artigo 142 da Constituição.
O "Centrão" conservador votou em peso e aprovou a emenda.
Art. 142. As Forças Armadas, constituídas pela Marinha, pelo Exército e pela Aeronáutica, são instituições nacionais permanentes e regulares, organizadas com base na hierarquia e na disciplina, sob a autoridade suprema do Presidente da República, e destinam-se à defesa da Pátria, à garantia dos poderes constitucionais e, por iniciativa de qualquer destes, da lei e da ordem.
Não consigo admitir que o Brasil está fadado a não ser uma nação democrática, desenvolvida. Não imaginei que em pleno 2017, século XXI, seriamos ameaçados por uma ditadura militar, depois de um golpe de Estado, civil.
A Constituição de 1988 apontava para um grande avanço do país com superação da desigualdade, da pobreza, acesso pleno ao serviços públicos de qualidade, elevação da renda, da qualidade de vida, enfim, plena cidadania. Mas o que estou vendo é um enorme retrocesso porque todas as tentativas de de se fazer a revolução educacional foram solapadas.

Com Janot fora da PGR, Cunha promete a 'delação do fim do mundo'

Lula Marques/Agência PT | ABr | Reuters | Ag. Senado 
247 - O ex-deputado Eduardo Cunha, condenado no âmbito da Operação lava Jato, deverá tentar fechar um novo acordo de delação premiada com a equipe da nova procuradora-geral da República, Raquel Dodge. A proposta, porém, só deverá ser apresentada após os cinco investigadores que faziam parte da equipe do ex-procurador geral Rodrigo Janot deixarem o grupo de trabalho.
Segundo o jornal Folha de São Paulo, Cunha deseja o afastamento do promotor Sérgio Bruno, que faz parte da equipe de transição além de quatro outros investigadores. Todos eles devem deixar o cargo nos próximos 30 dias.
Segundo interlocutores, Cunha pretende usar este período para aditivar o conteúdo da delação visando tornar a proposta de um acordo mais atrativa para a PGR.
A equipe de Janot, porém, já havia destacado que os novos anexos da delação propostos pelo ex-parlamentar visavam atingir os inimigos políticos e desafetos, poupando os amigos e aqueles que ele consideraria que lhe foram leais.
A delação de Cunha é considerada como altamente explosiva, uma vez que poderia implodir de vez o governo Michel Temer devido ao teor das denúncias com potencial para envolver diretamente o núcleo do governo do peemedebista.

20 setembro 2017

Grandiosas são as obras do Senhor!

Deixemo-nos consumir pela presença de Deus!

Se formos frios e indiferentes para com a presença do Sagrado e do Divino, não seremos tocados pela graça.
"Não pode haver dúvida de que é grande o mistério da piedade: Ele foi manifestado na carne, foi justificado no espírito, contemplado pelos anjos, pregado às nações, acreditado no mundo, exaltado na glória!" (1Tm 3,16).
Aquilo que São Paulo está, hoje, recomendando a Timóteo, em sua carta, é como devemos proceder na casa de Deus, e isso está totalmente ligado ao Evangelho de hoje, que nos fala da frieza e da indiferença daqueles que não ligaram para a manifestação da glória e da presença do Senhor no meio de nós. O Evangelho diz: "Veio João Batista, que não comia nem bebia, e foi visto por muitos como um demônio. Veio o Filho do Homem, que comia e bebia, e foi tido como um comilão, beberrão e assim por diante. Ou vocês são como crianças que tocam flautas nas praças e ninguém liga" (cf. Lc 7,31-35).
Grande é o mistério da graça de Deus manifestada no meio de nós. Uma vez manifestado, não podemos tocar nesse mistério como uma coisa qualquer nem deixar que a apatia, a frieza, a indiferença e o pouco caso tomem conta de nós.
Vivemos num mundo frio e relativista em relação às coisas sagradas e divinas, em relação à manifestação de Deus no meio de nós. Como deveríamos tremer diante da presença de Deus! Como o nosso comportamento, ao entrar numa igreja, numa capela, ao nos colocarmos na presença do Senhor, deveria ser diferente! Deveríamos estar inteiros tomados pela presença d’Ele em nosso meio.
Se formos frios e indiferentes para com a presença do Sagrado e do Divino, não seremos tocados pela graça. Por isso, é de se imaginar que a graça de Deus esteja longe e indiferente de nós, porque somos nós quem nos tornamos, muitas vezes, frios e indiferentes à manifestação da graça e da glória d’Ele. Como nós precisamos nos compenetrar na vida de oração, na vida mística, na contemplação e busca do Sagrado!
Não podemos fazer as coisas de Deus de qualquer jeito, não podemos transformar a nossa relação com Ele numa coisa rotineira, comum ou tratá-la de qualquer jeito, mais ou menos, quando der.
O Espírito não se compenetra da graça, e a graça do Espírito não penetra em nós pela nossa frieza e pela nossa indiferença. É preciso recuperar o gosto, assumir o Sagrado dentro do nosso coração, para que Ele manifeste a Sua glória, o Seu poder, a ação divina no meio de nós. Em outras palavras, é deixar-se consumir e ser tomado pela presença do Senhor.
Não vá de qualquer jeito para a igreja, não se comporte de qualquer jeito, não coloque outras coisas que o distraem e roubam sua atenção e coração da presença de Deus. Se formos inteiros para Deus, Ele será inteiro em nossa vida!
Deus abençoe você!
Padre Roger Araújo

#minisermao (20/09/17)

Não seja refém da reação das pessoas; nem sempre você será compreendido. O bem tem valor em si mesmo. Pratique-o. Jesus nem sempre foi compreendido, João Batista não foi compreendido, santos e mártires não foram compreendidos e muitos foram até martirizados pelo bem que praticaram. Nós temos pequenos martírios todos os dias, críticas injustas, incompreensões e, às vezes, falamos a coisa certa e para a pessoa certa, na hora certa; porém, a pessoa não compreende e não segue o nosso conselho. Continue falando o que tem que ser dito, porque o bem vale por si mesmo. (Lc 7,31-35)
Pe. Joãozinho, Scj.

Comece o seu dia mais feliz meditando o Santo Evangelho - A Igreja recorda hoje a memória dos Santos André Kim Taegon Presb, Paulo Chong Hasang e Comps. Mts.

Evangelho (Lc 7,31-35)

Tocamos flauta para vós e não dançastes; fizemos lamentações e não chorastes!
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas 7,31-35.
Naquele tempo, disse Jesus: "Com quem hei de comparar os homens desta geração? Com quem eles se parecem? São como crianças que se sentam nas praças, e se dirigem aos colegas, dizendo: 'Tocamos flauta para vós e não dançastes; fizemos lamentações e não chorastes!' Pois veio João Batista, que não comia pão nem bebia vinho, e vós dissestes: 'Ele está com um demônio!' Veio o Filho do Homem, que come e bebe, e vós dizeis: 'Ele é um comilão e beberrão, amigo dos publicanos e dos pecadores!' Mas a sabedoria foi justificada por todos os seus filhos". Palavra da Salvação. Glória a vós, Senhor.
Reflexão - Lc 7, 31-35 
Todos nós somos cristãos, e muitas vezes nos orgulhamos disso, afinal de contas, temos a salvação em Jesus Cristo e a filiação divina, sem contar que somos templos do Espírito Santo. Porém devemos nos questionar se a nossa vida é coerente com o que cremos, pois muitas vezes vivemos uma religião de gestos exteriores, de cumprimento de normas rituais, de práticas religiosas, mas não vivemos o essencial: não somos capazes de amar, não temos os mesmos sentimentos de Jesus Cristo: a misericórdia, a justiça, a fraternidade, a solidariedade. Com isso, o Evangelho soa todos os dias em nossos ouvidos, mas não toca os nossos corações, nem transforma as nossas vidas, e a sabedoria fica longe de nós.

Crime de Lula foi governar para o povo, apontam líderes do PT

RICARDO STUCKERT 
247 - As principais lideranças do PT saíram em defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva após a Justiça Federal de Brasília aceitar mais uma denúncia contra Lula. 
Gleisi Hoffmann, presidenta nacional do PT, Lindbergh Farias, líder da bancada do PT no Senado e Carlos Zarattini, líder do partido na Câmara escreveram uma carta aberta em ue denunciam a falta de provas e as intenções eleitorais por trás da nova denúncia. 
Segundo eles, o "crime" de Lula foi ter governado o País pensando nos brasileiros mais pobres. 
Confira abaixo a íntegra do documento:
Quanto mais o ex-presidente Lula confirma sua identificação com o povo brasileiro e sua força eleitoral, mais armações e arbitrariedades cometem contra ele. É o caso da falsa denúncia do MPF de Brasília, aceita hoje pelo juiz da 10a. Vara Federal, horas depois de nova pesquisa confirmar que Lula vence as eleições presidenciais contra qualquer candidato do campo golpista.
A Medida Provisória 471 foi editada em 2009, com aprovação unânime do Congresso Nacional, para prorrogar por 5 anos a vigência de incentivos fiscais criados no governo de Fernando Henrique Cardoso e que levaram a indústria automobilística a se instalar nas regiões Nordeste, Norte e Centro-Oeste.
Ao contrário do que alegam os acusadores de Lula, a medida não foi feita para beneficiar a empresa A, B ou C, mas para promover a industrialização e gerar dezenas de milhares de empregos de qualidade, como ocorreu nos polos automotivos de Camaçari (BA), Fortaleza, Goiana (PE), Manaus e Anápolis.
Não houve qualquer irregularidade ou ilicitude na edição da MP nem na conversão em lei pelo Congresso Nacional; nada que possa atingir o ex-presidente Lula e o companheiro Gilberto Carvalho, acusados sem base em fatos e muito menos em provas.
Gleisi Hoffmann – Presidenta nacional do PT
Lindbergh Farias – líder da bancada do PT no Senado Federal
Carlos Zarattini – líder do PT na Câmara dos Deputados

19 setembro 2017

Viverei na pureza do meu coração!

Fonte D'água Nossa Senhora Aparecida

Entrega de água colocadas em sua caixa d'água. 
1.000 litros por R$30,00 - Água da Fonte natural cristalina e pura, retirada da própria natureza.
É só ligar e a entrega será rápida, toda a estrutura da fonte está localiza no Emidão Clube.
Fone: 99642-7000 - Responsável Jarles de Deca

#minisermao (19/09/17)

O impossível não existe para quem tem fé; reconheça as dificuldades, mas deixe uma janela aberta para o milagre. Aquele enterro ia passando, a viúva de Naim sepultava seu filho jovem. Jesus mandou parar o enterro e ressuscitou o jovem; alguma coisa impossível aos olhos humanos, mas possível para quem tem fé na ação providente de Deus. Tudo depende de onde você coloca o ponto final. "É o menino está morto, mas Deus pode mais". O ponto final está na esperança. "Deus pode tudo, mas o menino está morto". O ponto final está na morte. Qual é o ponto final da sua vida? (Lc 7,11-17).
Pe. Joãozinho, Scj.

Comece o seu dia mais feliz meditando o Santo Evangelho - 3ª-feira da 24ª Semana do Tempo Comum - A Igreja recorda hoje a memória de São Januário, bispo, mártir, +305

Evangelho (Lc 7,11-17)

Jovem, eu te ordeno, levanta-te!
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas 7,11-17.

Naquele tempo, Jesus dirigiu-se a uma cidade chamada Naim. Com ele iam seus discípulos e uma grande multidão. Quando chegou à porta da cidade, eis que levavam um defunto, filho único; e sua mãe era viúva. Grande multidão da cidade a acompanhava. Ao vê-la, o Senhor sentiu compaixão para com ela e lhe disse: "Não chores!".
Aproximou-se, tocou o caixão, e os que o carregavam pararam. Então, Jesus disse: "Jovem, eu te ordeno, levanta-te!" O que estava morto sentou-se e começou a falar. E Jesus o entregou à sua mãe. Todos ficaram com muito medo e glorificavam a Deus, dizendo: "Um grande profeta apareceu entre nós e Deus veio visitar o seu povo". E a notícia do fato espalhou-se pela Judeia inteira e por toda a redondeza.
Palavra da Salvação.
Glória a vós, Senhor.

Reflexão - Lc 7, 11-17
Os milagres que Jesus realiza não possuem uma finalidade em si, mas são a expressão de uma realidade maior. Quando vemos o caso do Evangelho de hoje, percebemos duas coisas: primeiro: o nosso Deus é o Deus da vida e da vida em abundância, e tem poder sobre a morte; segundo: o que motiva Jesus a agir é a compaixão com os que sofrem, e isso nos mostra um aspecto muito importante da sua missão, que é a solidariedade com os mais pobres e necessitados. E tudo isso nos revela que Deus veio visitar o seu povo, ser solidário com ele, e esta notícia precisa ser espalhada para todos os homens a fim de que todos possam perceber a presença amorosa de Deus em suas vidas.

Fruto de um golpe, Temer fala em democracia na Venezuela

 
247 - Em Nova York para a Assembleia Geral da ONU, Michel Temer participou de encontro promovido pelo presidente dos EUA, Donald Trump, com líderes da América Latina. O jantar teve um tom de doutrinação contra o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro. 
Temer, que só está no poder porque conspirou para derrubar Dilma Rousseff, a presidente legitimamente eleita nas urnas, saiu do jantar repetindo a cartilha americana e falando da necessidade de se defender a democracia na Venezuela. 
Nas redes sociais, Temer virou motivo de chacota por ter sido o único no encontro a precisar recorrer a fones de ouvido com tradução simultânea.
Confira abaixo reportagem da Agência Brasil sobre o encontro.
Da Agência Brasil
Michel Temer, disse ontem (18), após jantar de trabalho com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e lideranças sul-americanas, que o Brasil tem feito o possível para ajudar humanitariamente o povo venezuelano. A Venezuela foi um dos principais temas tratados no jantar com Trump, que exigiu a restauração "plena" da democracia e das liberdades políticas no país governado por Nicolás Maduro.
Temer deu uma entrevista coletiva a jornalistas após o jantar com Trump e a Venezuela foi o principal assunto. O brasileiro disse que é preciso tratar do tema sobre dois ângulos: o humanitário e o político. No humanitário, ele disse que o Brasil mandou medicamentos para a Venezuela e no político citou o encontro com Leopoldo Lopez, político que faz oposição a Maduro.
Eu próprio relatei que recebi o Leopoldo Lopez, tenho mantido os mais variados contatos, recebi a esposa dele, a mãe dele, para revelar a posição do Brasil em relação à Venezuela, disse. "As pessoas querem que lá se estabeleça a democracia, não querem uma intervenção externa, naturalmente. Mas querem manifestações que se ampliem, dos países que aqui estão para os países da América Latina, para os países caribenhos, de maneira a pressionar a solução democrática na Venezuela".
Segundo Temer, nenhuma decisão foi tomada durante a reunião, mas os líderes sul-americanos destacaram o problema dos refugiados venezuelanos. "Nós temos mais de 30 mil refugiados no Brasil, milhares de refugiados na Colômbia e alguns até no Panamá. E o que houve foi isso: todos querem continuar a pressão para resolver. Mas a pressão diplomática", disse.
Temer disse que a possibilidade de sanções à Venezuela não foi discutida efetivamente. Falou-se no tema, mas com ações diplomáticas, como ocorreu em relação ao Mercosul. "No Mercosul, quando nós fizemos reunião na Argentina, a Venezuela foi excluída do Mercosul, melhor dizendo, até nem chegou a entrar, por não ter cumprido as cláusulas democráticas", disse.